Confessar exige coragem

Confesso a todos os presentes: fui leviana. E se isso denotar pecado para alguns, confesso que pequei. Por pensamentos e palavras que ainda não expressei, atos revolucionários que ainda não cometi e, omissões convenientes sobre a vida que levo, sobre os caminhos que traço nas linhas de um papel. Tudo pela culpa, tão grande culpa de um tempo, que nunca haveremos de controlar. Mas estou aqui para me remediar: leiam à vontade! ;D

sexta-feira, 14 de maio de 2010

É isso que eu amo




Escrevi pensando em vocês, meus alunos, meus blogueiros preferidos, que mudaram a minha vida, me fazendo descobrir que ela tem mais sentido dessa forma. Essa é a justificativa da minha pesquisa (hoje de complementação da graduação e, mais tarde, de mestrado) sobre a linguagem expressiva dos blogs. Faço questão de publicar:

"Novos tempos, novos verbos"

O mundo tem uma nova forma de expressão virtual: os blogs. Blogar ou twittar é uma linguagem comum entre esses expressionistas da linguagem. E claro, o Brasil está novamente dominando o mundo virtual e esses tais blogs. Afinal, há muito o que se dizer em um país tão vasto e tão marcado por polêmicas, e os brasileiros já dominam a internet há um bom tempo. Até então, os sites de relacionamento, como Orkut, Facebook, entre outros, estavam controlando a demanda dos brasileiros por se fazerem presentes na internet. Mas a coisa vem tomando outro rumo.

Os brasileiros do mundo virtual precisavam de algo a mais para se afirmarem como grandes representantes de uma nação pensante e expressiva. Assim, criaram-se os blogs, que talvez, por serem descompromissados de regras, pegaram como uma febre nacional. Nem mesmo o microbog twitter (um adereço dos bloguistas) escapou dessa força de expressão. Os brasileiros dominam ali, e ali gritam, e ali se fazem escutar pelas autoridades e por pessoas comuns, influenciando-as, fazendo-as rever seus conceitos, informando-as de suas curiosidades, interagindo um povo que está na internet em busca de um algo a mais.

A linguagem utilizada para isso não é mais a praga do internetês. Na verdade, isso agora é motivo de vergonha entre os internautas. A linguagem agora vai além, e melhor, sem as grades do medo às regras gramaticais, os bloguistas sentem a liberdade e a interação com a linguagem fluir: são críticos, dizem o que pensam, tomam satisfações, ficam atentos à opinião pública e aos seus representantes, entre outras tantas manifestações extremamente ricas encontradas nesse ambiente.

Para nós, estudiosos da linguagem, não há como ficar imunes ou ignorar essa novidade, ela é rica demais, ela motiva pesquisas de diversos cunhos e é claro que a razão, para nós, salta aos olhos e os fazem brilhar: os blogs podem ser o meio de incentivarmos a leitura e a escrita, e não só isso, podem ser o meio de conseguirmos que isso tudo tenha qualidade, e melhor ainda, que tenha uma expressão social capaz alterar nossa realidade cultural (e política, entre tantas outras) ainda tão precária.

Dizem que toda nação precisa de heróis para se sentir mesmo uma nação. Visto que no Brasil nem nação nos consideramos, e que estamos cansados de heróis nordestinos, sofredores, que pouco ou nada conseguem de mudanças para a população, talvez estejamos precisando de heróis mais contemporâneos. Heróis que podem ajudar a salvar o que uma nação tem de mais precioso: a educação.

Por isso minha pesquisa nos blogs será tão importante, pois há nela a esperança de mudar a relação das pessoas com a linguagem, provando que ela, engajada e expressiva, pode ser muito útil e não deverá ficar só no contexto escolar. E para os professores de português isso deve ser mais que motivador, deve ser a compreensão de como e porque os gêneros que tanto trabalham em sala de aula podem e devem ser uma expressão da vida. Uma vida nova, mais esperançosa e mais digna. Porque a linguagem pode sim dignificar o homem.

Um comentário:

  1. Professora Giu sempre muito inteligente e aplicada!Nos alunos também amamos a senhora. (:

    ResponderExcluir